Como Adequar o Call Center à LGPD

LGPD e Call Center
LGPD e Call Center

A Lei Geral de Proteção de Dados, LGPD entra em vigor no Brasil a partir de agosto de 2020 e até lá as empresas de Call Center terão que encontrar uma maneira de se adaptar às bruscas mudanças que estão por vir no que diz respeito à forma como elas coletam, armazenam, usam e divulgam os dados pessoais e demográficos de seus clientes. 

A Lei de Consentimento é uma extensão adaptada à realidade brasileira da GDPR, Regulamento Geral de Proteção de Dados, existente na Europa, vigente desde 25 de maio de 2018 e tem como principal objetivo permitir que o usuário escolha quais dados seus uma empresa pode ou não tomar conhecimento. 

Para explicar isso melhor, a equipe do blog da Sincronismo preparou esse artigo para que nossos clientes possam entender como adequar o seu Call Center a LGPD e se manter no mercado com a mesma força e representatividade. 

O Que é Lei Geral de Proteção de Dados?

A Lei Geral de Proteção de Dados chega para tentar preencher os gargalos existentes a respeito do armazenamento, coleta e transmissão de dados pessoais de clientes, inspirando-se nas diretrizes de sua equivalente europeia, GDPR. 

O intuito é garantir aos clientes o direito de escolha a privacidade, podendo controlar melhor qual o rumo de suas informações pessoais, impondo regras jurídicas de forma mais clara para as empresas, de modo a garantir a segurança do consumidor no que diz respeito às empresas que ele se relaciona. 

Qual o Impacto da Lei Geral de Proteção de Dados no Call Center?

Empresas que tratam diariamente com as informações de milhões de clientes, como os Call Centers, claramente são as que mais serão impactadas pelas mudanças propostas na nova lei. A LGPD diz que todos os dados que tornem possível a identificação de um indivíduo (Nome, RG, CPF) bem como dados relacionados (como dados demográficos, endereço, profissão, histórico médico, entre outros) somente possam ser utilizados pelas empresas com o consentimento do titular. 

O melhor caminho que as empresas de atendimento ao cliente podem tomar para reduzir o impacto é tentar se adaptar às sanções que serão aplicadas a partir de agosto de 2020 o quanto antes.

Pensando nisso, muitas companhias de médio, mas principalmente, grande porte, já contam com setores especializados em lidar com os dados de seus clientes, visando atender de forma correta as novas exigências. As empresas menores terão que se estruturar de maneira mais aprofundada nas questões da LGPD para não serem prejudicadas quando ela passar a vigorar. 

Hoje, para trabalhar com clientes que uma empresa já possui relação, oferecer um produto ou serviço é muito simples.  Já quando a LGPD estiver vigorando, para entrar em contato com o cliente a empresa obrigatoriamente terá que receber a sua permissão e essa abordagem deve ser trabalhada de forma delicada para que os negócios não sejam prejudicados e os bancos não percam uma quantidade massiva de dados.

A princípio, a melhor forma para os Call Centers se prepararem é fortalecendo seus processos internos e disseminando boas práticas para reduzir os riscos apresentados. Para estar de acordo com a Lei Geral de Proteção de Dados é preciso entender quais são os dados pessoais coletados e escolher um fornecedor capaz e comprometido com as práticas corretas do mercado. 

A LGPD veio para que as empresas passem a se preocupar mais com a experiência com o cliente, construindo um relacionamento mais forte e significativo. Logo, ela tende a ser benéfica para aqueles que estejam em conformidade com as novas regras. 

A Sincronismo é uma empresa que sempre esteve na vanguarda de todas as soluções para telecomunicação e sabe da importância que existe em se adequar às novas regras de consentimento para banco de dados. Para que sua empresa também se enquadre nas novas exigências entre em contato conosco e tire todas as suas dúvidas.  

011 3323-5550